Jerry Silfwer, do blog Doktor Spinn e da Whispr Group (Suécia)


As mensagens enviadas para a imprensa devem ser exclusivas? Jerry Silfwer, editor do blog Doktor Spinn e executive digital strategist da agência sueca Whispr Group, acredita que não.

Para ele, muitas histórias novas são apenas variações de histórias clássicas. “Temos o herói, o desafio e o conflito. Em muitos casos, há o inimigo. Portanto, eu sempre destaco o caráter noticioso ao invés da exclusividade”, assinala o profissional.

Jerry Silfwer, do Doktor Spinn

Em entrevista ao PR Interview, Jerry Silfwer também faz um desabafo: “temos que parar de enviar comunicados de merda para a imprensa. Os textos devem ser altamente envolventes e postados na web de forma inteligente. Há excesso de informação, com certeza, e nós somos responsáveis ​​por nossos clientes. Por isso, precisamos nos policiar sempre”.

Acompanhe a seguir os principais pontos desta entrevista:

PR Interview: Você ainda trabalha com o press release tradicional?

Jerry Silfwer: O press release tradicional ainda faz parte da minha caixa de ferramentas. A diferença é que antes havia apenas duas opções: empurrar a notícia para o jornalista que pudesse se interessar ou jogá-la no lixo. Hoje você tem uma terceira opção: divulgar nas mídias sociais as informações de seu press release de forma inteligente, despertando o interesse do público-alvo. Qual formato escolher? É uma simples questão de táticas, dependendo da mensagem que você tem e dos teus objetivos.

PR Interview: Qual a sua opinião sobre os profissionais de agência de comunicação que enviam, em um mesmo dia, inúmeros releases para a imprensa?

Jerry Silfwer: Eu tenho falado com muitos jornalistas sobre este tema e acredito que não é uma questão que se pode responder apenas com um sim ou um não. Surpreendentemente, muitas notícias provêm de comunicados de imprensa ainda. No entanto, há profissionais de mídia que dizem que estes comunicados são “um pé no saco”. Mas, eles colocam o processo de seleção em suas mãos, e os jornalistas gostam disso. Se o processo de seleção termina em outro lugar, eles perdem essa influência. O que devemos fazer é parar de enviar comunicados de merda para a imprensa. Os textos devem ser altamente envolventes e postados na web de forma inteligente. Há excesso de informação, com certeza, e nós somos responsáveis ​​por nossos clientes. Por isso, precisamos nos policiar sempre.

PR Interview: As mensagens enviadas para a imprensa devem ser exclusivas?

Jerry Silfwer: Não, muitas histórias novas são apenas variações de histórias clássicas. Temos o herói, o desafio e o conflito. Em muitos casos, há o inimigo. Portanto, eu sempre destaco o caráter noticioso ao invés da exclusividade. De preferência, uma boa história “nova”, com algum tipo de conflito claro.

PR Interview: Neste contexto, qual canal tem mais poder: a imprensa tradicional ou a social mídia?

Jerry Silfwer: Em primeiro lugar, eu acho que é importante reconhecer que essas esferas se correlacionam muito bem umas com as outras. Se você tem uma notícia, é melhor abordar a mídia tradicional. Se você tem um objeto social, então é melhor aproveitar a mídia social. A mídia (que inclui alguns blogs também) é impulsionada pelas notícias, enquanto a social media é impulsionada pelo engajamento. O que é mais poderoso, então? Bem, mídia tradicional tem muita força ainda para fixar agenda. Mas, quando se trata de condução de influência, nada bate a mídia social. Eu acho que as empresas precisam aproveitar as duas coisas.

PR Interview: Para finalizar, você pode citar exemplos bem-sucedidos de ações de PR na social media?

Jerry Silfwer: Eu acredito que é cada vez mais necessário o PR ouvir o público-alvo e mais e mais empresas estão investindo neste campo. Um bom exemplo é o Mission Control, um vídeo da Gatorade postado no YouTube e que vale a pena assistir. Eu gosto de campanhas que ajudam o indivíduo ser ainda mais popular em suas redes pessoais. Um case interessante foi o do Spotify, que distribuiu convites a alguns blogueiros, que, por sua vez, podem entregar a alguns leitores. Este tipo de ação ajuda a aumentar o tráfego. Outro ponto interessante são as plataformas. A agência sueca de comunicação Prime lançou a Primegate, ideal para direcionar o tráfego e para otimizar as buscas por palavras-chaves.

Bookmark and Share

NO PRÓXIMO POST:

Entrevista com Marco Antonio Sabino, diretor geral da S/A comunicação (Brasil)

Sobre Rodrigo Capella

Diretor da Pólvora PR, Assessor de Imprensa e Estudioso da Comunicação Digital, Rodrigo Capella já ministrou, desde 2008, mais de 350 palestras e cursos em eventos, associações, empresas e universidades, como Banco do Brasil, Novartis, Rotary Club, ESPM, FMU, Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará, Congresso Internacional para Líderes da Comunicação, Social Media Vale do Paraíba e Seminário “Mídias Digitais e Transformação Social”, realizado em Aracaju pelo Governo de Sergipe. Além disso, o profissional foi professor de Comunicação Digital da pós-graduação da PUC-PR, da UNA-BH e da Universidade Anhembi Morumbi-SP. Capella é também autor de diversos livros, como “Assessor de Imprensa: fonte qualificada para uma boa notícia” e de “Rir ou Chorar”, biografia do cineasta Ricardo Pinto e Silva coordenada por Rubens Ewald Filho. E-mail: capella.rodrigo@gmail.com
Esse post foi publicado em Entrevista e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.